Estado

?Estadão.com.br
Vinte anos depois da Eco-92, representantes de ONGs, empresas, de setores da sociedade civil chefes de Estado e de governo voltaram a se reunir paradebater quais os rumos o planeta deve tomar para manter um crescimento sustentável e reduzir as agressões ao meio ambiente, na tentativa de reverter uma situaçãoquase limite no que diz respeito à natureza. Chegava a hora da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável – a Rio+20 – que aconteceu dos dias 13a 22 de junho no Rio de Janeiro.
O resultado é o documento O Futuro Que Queremos, documento considerado pela presidente Dilma Rousseff como um avanço em relação aoselaborados em outras convenções da ONU e como um fracasso por ser pouco ambicioso por delegações e ONGs ambientais.
Tendo a crise financeira como pano de fundo, odesafio foi, essencialmente, estabelecer diretrizes para que crescimento econômico, justiça social e conservação ambiental caminhem juntos. Em outras palavras, definircomo todos os países, juntos, podem promover o chamado desenvolvimento sustentável, “que atenda às necessidades das gerações presentes sem comprometer a habilidadedas gerações futuras de suprirem suas próprias necessidades”, segundo a definição oficial, de 1987.
Apesar das divergências, as autoridades brasileiras comemoraram oconsenso geral entre as delegações, que aprovaram o documento no último dia do encontro. Fica agora a esperança de que os termos acordados serão implementados e queos compromissos assumidos pelos governos não ficarão apenas no papel. O tempo passa para o planeta e os únicos que podem mudar essa situação somos nós mesmo.