Boletim Econom 2005 Cv

Departamento de Estudos Económicos e Estatísticas
Boletim Económico
Agosto|2005
Boletim Económico
Actividade Económica Nacional
1. Introdução
2
2. Enquadramento Externo da Economia de Cabo Verde
3
3. Políticas Macroeconómicas
6
Política Monetária do Banco de Cabo Verde
Política Orçamental
4. Actividade Económica Nacional
10
Consumo Privado, Rendimento Disponível e Poupança
FormaçãoBruta de Capital Fixo
Exportações e Importações
Balança Corrente e de Capital
Inflação
Texto
Evolução da Inflação no Contexto da Paridade Fixa com o Euro
Banco de Cabo Verde / Agosto 2005
1
Boletim Económico
1. Introdução
• O Banco de Cabo Verde prevê uma aceleração da actividade económica em 2005, com o PIB a crescer à taxa
real de 6,5%, reflectindo um maior dinamismo da procura interna,particularmente do consumo privado e do
investimento.
• As exportações, determinadas pelo abrandamento das
exportações de serviços, particularmente sensíveis à
conjuntura
internacional,
devem
desacelerar-se,
enquanto que as importações devem expandir-se, em
função da expansão da procura interna. O alargamento
do desequilíbrio externo do país, embora atenuado pelo
fluxo superior de entradas dedonativos oficiais e
remessas de emigrantes, resulta num aumento das
necessidades líquidas de financiamento da economia
para 4,3% do PIB.
• Após um longo período de deflação, regista-se uma
interrupção da cadência descendente da inflação, determinada pelo comportamento dos bens industriais energéticos, condicionado pelos preços internacionais em
alta do petróleo e seus derivados. A manter asperturbações no preço de petróleo, as estimativas do Banco de
Cabo Verde apontam para uma taxa média de inflação
no intervalo de 1% a 1,4%, no ano.
• Orientada para o objectivo da estabilidade de preços, a
política monetária do Banco de Cabo Verde manteve a
postura de afrouxamento das condições monetárias,
iniciada em Dezembro de 2004, com a redução da taxa
de remuneração das DisponibilidadesMínimas de Caixa, de 19% para os actuais 17%, e com a redução da
taxa de cedência de 8,5% para 7,4%. Essas medidas de
política, facilitadas pelo contínuo reforço das reservas
internacionais, tiveram como efeito a redução das taxas
de juro médias dos bancos comerciais.
• A política orçamental tem tido uma orientação expansionista, contrariando a tendência do ano anterior, pelo
que não obstante asreceitas manterem um ritmo de
crescimento acentuado, o aumento significativo das
despesas (correntes e de investimento) deve implicar
num défice global de 2,4% do PIB.
Banco de Cabo Verde / Agosto 2005
2
Boletim Económico
2. Enquadramento Externo da Economia de
Cabo Verde
• Nos primeiros meses de 2005, a economia global continuou marcada por um sentimento de incerteza, incentivado, essencialmente,pela instabilidade do mercado
5,0
petrolífero. Desde início do ano o preço internacional do
4,5
petróleo tem ultrapassado sucessivamente os seus
3,5
70USD/barril.
em percentagem
máximos históricos, estando muito perto de atingir os
GDP
EUA
4,0
3,0
2,5
Zona Euro
2,0
1,5
1,0
0,5
0,0
1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 1º Tri 2º Tri
05
05
• Não obstante, os EUA, motor da economiamundial,
mantiveram um ritmo de crescimento robusto, em torno
4,0
dos 3,7% (embora em ligeira desaceleração face ao forte
3,5
dinamismo verificado no 2º semestre de 2004), benefições de financiamento favoráveis ao investimento e da
progressiva melhoria das condições no mercado de tra-
em percentagem
ciando de fortes lucros do sector empresarial, das condi-
2,5
2,0
0,5
0,0
mento dos particulares e,consequentemente, para o
1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 1º Tri 2º Tri
05
05
crescimento do consumo (2/3 do PIB americano). De
acrescentar, ainda, o contributo positivo das exporta-
12,0
ções líquidas para o desempenho da economia dos EUA,
10,0
balança comercial norte-americana beneficiou, igualmente, da valorização do Yuan chinês1.
Desemprego
11,0
Zona Euro
em percentagem
aliado…